Meio Ambiente, Políticas de Inovação e Tecnologia: Relações e Correlações nos Últimos Dez Anos no Brasil

Autores

Palavras-chave:

meio ambiente, políticas de inovação, tecnologia, pesquisa, pós-graduação

Resumo

O presente artigo se dispõe a tratar questões ambientais a partir de políticas de inovação e tecnologia, na área de concentração em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente, do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu da Universidade Evangélica de Goiás (PPGSTMA). Imerso na interface entre dois grandes sistemas indissociáveis, social e natural, cuja intersecção demanda diversidade de competências e atuação interdisciplinar com constante colaboração, trocas de conhecimento e convergência, o trabalho inicia uma marcha teórica para pesquisas dirigidas a segunda linha do PPGSTMA, ‘Desenvolvimento e Territorialidade’. Servindo de campo fértil para pesquisas voltadas à políticas públicas ambientais, inovadoras e tecnológicas, onde se fazem presentes ações sociais, jurídicas, administrativas, privadas, públicas, público-privadas, revestidas de inovação e tecnologias. Nesse sentindo o trabalho abre portas à resultados ecopolíticos, dirigidos à promoção, preservação e proteção do meio ambiente e servirá de apoio à futuras pesquisas que dialoguem de forma interdisciplinar o meio ambiente e as políticas de inovação e tecnologia, agendadas por profissionais de diversas e variadas formações acadêmicas, sendo destaque as áreas: Ciências Biológicas, Agronomia, Direito, Inteligência Artificial, Engenheiros de Software, Sociólogos, e de outras áreas afins. Para lograr êxito nos resultados científicos, é empregado o método bibliográfico, com o suporte analítico e histórico de outros métodos, a fim de melhor subsidiar a pesquisa.

 

Referências

ADLER, E. The power of ideology: the quest for technological autonomy in Argentina and Brazil. Berkeley: University of California Press, 1987.

ANPROTEC. Associação Nacional de entidades promotoras de empreendimentos Inovadores. Propostas de Políticas Públicas para Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. Brasília, DF: MCTI, 2022.

BALBACHEVSKY, E. “O MCT no epicentro dos projetos de reforma das políticas de C&T no Brasil”. In: Dagnino, R. and Thomas, H. (eds.) Panorama dos estudos sobre ciência, tecnologia e sociedade na América Latina. (37-52). Taubaté (BR): Cabral Editora e Livraria, 2002.

BOTELHO, P. Linguagem e Letramento na Educação de Surdos: ideologias e práticas pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

BOTELHO, A. B.; PIMENTA-BUENO, J. A. Financiando as Relações entre a Universidade e a Indústria na América Latina: um apoio às universidades ou estímulo à inovação? In: SCHWARTZMAN, S. (Ed.). Universidades e Desenvolvimento na América Latina: experiências exitosas de centros de pesquisas. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2009.

BRASIL. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Disponível em: https://www.gov.br/cnpq/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/programas/pronex

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Casa Civil. Subchefia de Assuntos Jurídicos. Brasília - DF.

BRASIL. Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm

BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). Observatório das metrópoles. Disponível em: https://www.observatoriodasmetropoles.net.br/wp-content/uploads/2020/01/Edital-MCTCNPq-n-012005-Institutos-do-Milenio.pdf

CEPAL/SEGIB. Espacios Iberoamericanos: vínculos entre Universidades y empresas para el desarrollo tecnológico. LC/G.2478. 2010. Santiago de Chile: Naciones Unidas. Disponível em: https://repositorio.cepal.org/server/api/core/bitstreams/519f857c-9e70-4419-91f9-9fcc2de41182/content

COMISIÓN ECONÓMICA PARA AMÉRICA LATINA Y EL CARIBE (CEPAL). Secretaría General Iberoamericana (SEGIB). Espacios iberoamericanos: vínculos entre universidades y empresas para el desarrollo tecnológico. Santiago de Chile. Noviembre de 2010. Disponível em: https://repositorio.cepal.org/server/api/core/bitstreams/043b5369-3c21-48b9-8bec-f5234a4cd55e/content

COUTINHO, M. Ecology and environmental science in Brazilian higher education; graduate programs, research and intellectual identity. In NUPES - Documentos de Trabalho, 6-9, 1996.

DE NEGRI, F. New pathways for innovation in Brazil. Ipea: Rio de Janeiro; Washington: Wilson Center, 2021a.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. São Paulo: Cortez, 2010.

GUIMARÃES, R. O futuro da pós-graduação: avaliando a avaliação. Revista Brasileira de Pós-Graduação, Brasília, DF, v. 4, n. 8, p. 282-292, 2007.

NOGUEIRA, H.A. S.; AGUIAR, R.S.; GISI, M. L. A importância dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para a redução da desigualdade educacional no Brasil. Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 27, n. 00, e023029, 2023. e-ISSN: 1519-9029. DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v27i00.18005

TYLER MILLER, G.; SPOOLMAN, Scott E. Ciência Ambiental. Tradução Priscilla Lopes; revisão técnica Roberto Greco. 3. Ed. São Paulo: Cengage Learning, 1979.

UniEVANGÉLICA. Universidade Evangélica de Goiás. Programas de Pós-Graduação Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente. Disponível em: https://www4.unievangelica.edu.br/ppg/sociedade-tecnologia-e-meio-ambiente

ZULAUF, Werner E. O meio ambiente e o futuro. Estud. av., São Paulo, v. 14, n. 39, p. 85-100, Aug. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142000000200009&lng=en&nrm=iso

Downloads

Publicado

2024-04-05

Como Citar

MENEZES JUNIOR, Eumar Evangelista de; DUTRA E SILVA, Sandro; OLIVEIRA , Mayana Ribeiro; SILVA , Carlos Henrique Conde. Meio Ambiente, Políticas de Inovação e Tecnologia: Relações e Correlações nos Últimos Dez Anos no Brasil. Fronteira: Journal of Social, Technological and Environmental Science, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 213–226, 2024. Disponível em: https://revistas.unievangelica.edu.br/index.php/fronteiras/article/view/7175. Acesso em: 25 jul. 2024.