Análise da Competitividade no Setor da Celulose: O Caso do Brasil no Período 2008-2017

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21664/2238-8869.2024v13i1.p150-166

Palavras-chave:

Brasil, celulose, competitividade, exportações

Resumo

Procedeu-se ao cálculo de indicadores do comércio internacional com o objetivo de analisar o desempenho das exportações brasileiras de celulose e identificar as suas principais fontes de crescimento, no período de 2008-2017. Os resultados indicam vantagens comparativas reveladas para as exportações brasileiras de celulose. Os principais mercados de direcionamento do produto foram a China, Estados Unidos da América, Holanda e Itália. Quanto às fontes de crescimento, o modelo Constant Market Share indica o efeito competitividade como a principal fonte de crescimento, nos dois primeiros períodos de análise, enquanto o efeito crescimento do comércio mundial teve maior relevância no terceiro período.

Referências

Balassa, B 1965. Trade Liberalization and “Revealed” Comparative Advantage. The Manchester School of Economic and Social Studies, 33 (2):99-123, Manchester, Wiley Online Library.

Bittencourt GM, Fontes RMO, Campos AC. 2012. Determinantes das exportações brasileiras de etanol. Revista de Política Agrícola, 21 (4):4-19.

Bonelli, Regis 1994. TD 0327 - Produtividade, crescimento industrial e exportações de manufaturados no Brasil: desempenho e competitividade. Texto para Discussão, TD 0327, Rio de Janeiro, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Canuto O, Xavier, CL. 2002. Specialization and competitiveness in Brazilian foreign trade. Revista Momento Económico, 119:24-34.

Carvalhaes, Elizabeth 2010. China se torna o maior mercado para fabricantes de celulose do Brasil. Estadão, 4 de junho, S. Paulo, Econômia & Négocios

Carvalho K, Henrique A, Silva ML, Soares, NS. 2009. Competitiveness of Brazilian wood pulp in the international market, Cerne, 15 (4): 383-390.

Coelho J, Luiz M, Santos HF, Soares N, Martins JM, Silva ML. 2023. International competitiveness of exports of forest products, Ciência Rural, 53 (9).

Coronel DA, Machado JAD, Carvalho FMA. 2009. Análise da competitividade das exportações do complexo soja brasileiro de 1995 a 2006: uma abordagem de market share”, Revista de Economia Contemporânea, 13 (2).

Da Silva JCGL, Maciel AS 2022. International trade standards and competitiveness of the chemical wood pulp and conifer sawn wood sectors do Brazil and Chile front of major world exporters, Forest Policy and Economics, 137, 102706

Farina E, Zylbersztajn D, 1998. Competitividade no agribusiness brasileiro: introdução e conceito. São Paulo, Instituto de Pesquisa Económica Aplicada.

Ferraz JC, Kupfer D, Haguenauer L 1996. Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria. Rio de Janeiro, Editora Campus.

Gomes, Isabel Menezes de Bulhões. 2011. Segmento brasileiro de polpa celulósica: evolução, competitividade e inovação, Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 73 pp.

Haguenauer, Lia. 1989. Competitividade: conceitos e medidas. Uma resenha da bibliografia recente com ênfase no caso brasileiro, Texto para Discussão, número 211, Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro/Instituto de Economia Industrial.

Hidalgo AB, Da Mata DFPG 2004. Exportações do Estado de Pernambuco: concentração, mudança na estrutura e perspetivas”, Revista Econômica do Nordeste, 35 (2): 264-283.

Ibá (Indústria Brasileira de Árvores) 2022. Relatório Anual 2022, São Paulo e Brasília, Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas

Ibá (Indústria Brasileira de Árvores) 2020. Relatório Anual 2020, São Paulo e Brasília, Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas.

Ibá (Indústria Brasileira de Árvores) 2019. Relatório Anual 2020, São Paulo e Brasília, Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas.

Ibá (Indústria Brasileira de Árvores) 2017. Relatório Anual 2017, São Paulo e Brasília, Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas,

Kupfer, David. 1991. Padrões de concorrência e competitividade, Texto para Discussão, núm. 265, Rio de Janeiro, Instituto de Economia Industrial da Universidade Federal Rio Janeiro.

Leamer, E, Stern R 1970. Constant-Market-Share Analysis of Export Growth, In Quantitative International Economics, Edited by Edward Leamer, Robert Stern, (org.), Boston, Allyn and Bacon International Series in Economics, p. 171-183.

Matos DV, Ribeiro IPD, Soares NS, Lyrio MMP 2021. Competitividade do segmento brasileiro de celulose no comércio internacional, entre 1961 e 2020, Conjuntura Internacional, 18 (2): 41-57.

Maxir HS,Masullo LS. 2017. The Brazilian insertion into the international trade of forest products chain”, Revista Árvore, 41(3):e410318.

MIDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) [homepage on the Internet] “ComexVis” (2020) Brasília, Governo Federal. Available from: https://www.gov.br/mdic/pt-br

Milana, Carlo 1998. Constant-market-shares analysis and index number theory, European Journal of Political Economy, 4 (4): 453-478.

Nunes, Walter Lídio 2017. Produção de celulose cresce 56% em 10 anos. Jornal do Comércio, 24/05/2017, Porto Alegre, Jornal de economia e negócios do RS

Nonnenberg, MJB. 1991. TD 0214 - Vantagens comparativas reveladas, custo relativo de fatores e intensidade de recursos naturais: resultados para o Brasil: 1980/88, Brasília, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Rocha APA, Soares NS 2014. Desempenho das Exportações Brasileiras do Setor de Papel e Celulose, entre 1997 e 2011, comunicação apresentada na conferência IV Semana do Economista & IV Encontro de Egressos, Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC, Ilhéus – Bahia, 7 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus.

Rossatoa FGFS, Susaetaa A, Adamsa DC, Hidalgo IGA, Thais D, de Queiroz, A 2018. Comparison of revealed comparative advantage indexes with application to trade tendencies of cellulose production from planted forests in Brazil, Canada, China, Sweden, Finland and the United States, Forest Policy and Economics, 97: 59-66

Sanquetta CR, Piva LRSO, Sanquetta MNI, Maas GCB, Corte APD 2020. Mercado de celulose no brasil e em cinco grandes países. BIOFIX Scientific Journal 5 (2): 189-194.

Santi,Thais 2015. Em busca da reinvenção. Revista O Papel:48-58. São Paulo, Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Santos HF, Silva ML, Soares NS, Diniz FF, Coelho-Junior LM. 2022. Brazil’s competitiveness in exportation of forest products, from 2008 to 2018, Revista Árvore. 2022;46:e4617

Soares, NS 2010. Análise da Competitividade e dos Preços Da Celulose e da Madeira de Eucalipto no Brasil”, Tese de Doutorado, Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, 205p.

Souza SN, Angelo H, Almeida NA, Souza NA, Paula MF. 2018. Competitiveness of Brazilian Tropical Wood on the International Market, Floresta e Ambiente, 25 (1): e20150218

UNComtrade (United Nations Commodity Trade). [database on the Internet], [cited 2020]. Nova Iorque, Trade Statistics Branch - United Nations Statistics Division. Available from: https://comtradeplus.un.org/

Valverde SR, Soares NS, da Silva ML 2006. Desempenho das exportações brasileiras de celulose, Revista Árvore, 30 (6), 1017-1023.

Waquil PD, Alvim A, Da Silva LX, Trapp G. 2004. “Vantagens comparativas reveladas e orientação regional das exportações agrícolas brasileiras para a União Europeia”. Revista de Economia e Agronegócio, 2 (2): 137-160.

Yeats, Alexander 1998. Does Mercosur’s trade performance raise concerns about the effects of regional trade arrangements? The World Bank Economic Review, 12 (1): 1-28.

Downloads

Publicado

2024-04-05

Como Citar

PEREIRA, Raquel Susana da Costa; SILVA JUNIOR, Raimundo Gomes da. Análise da Competitividade no Setor da Celulose: O Caso do Brasil no Período 2008-2017. Fronteira: Journal of Social, Technological and Environmental Science, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 150–166, 2024. DOI: 10.21664/2238-8869.2024v13i1.p150-166. Disponível em: https://revistas.unievangelica.edu.br/index.php/fronteiras/article/view/7016. Acesso em: 25 jul. 2024.